Home»Detalhe de Notícias
 
Misericórdia no Montepio num máximo de 18 milhões

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), Edmundo Martinho, disse ontem no parlamento que o investimento na Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) não será qualquer aventura mas que resulta de estudo e de prudência.

“Não estamos em nenhuma aventura; aventuras já tivemos, e grandes, no passado e com impactos muito significativos na Santa Casa”, disse Edmundo Martinho na comissão parlamentar de Trabalho, acrescentando que o investimento no banco Montepio se fará depois de “muito estudo” e “prudência” e na “defesa de uma instituição bancária” do setor da economia social.

Segundo o provedor, em causa está a possibilidade de a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) ficar com 1% do capital do banco Montepio em troca, no máximo, de dezoito milhões de euros.

Além disso, afirmou, a CEMG “não é um banco qualquer”, uma vez que é propriedade de seiscentas mil pessoas (os associados da Associação Mutualista Montepio Geral, único acionista), e considerou importante o investimento do ponto de vista financeiro mas também estratégico, “uma vez que contribui para consolidar o setor da economia social”.


05.04.2018

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN