Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe
 
Salário mínimo nacional: é necessário esclarecer (verdadeiro ou falso)

1) O salário mínimo nacional encontrava-se congelado há três anos, por imposição da troica?
Verdadeiro O salário mínimo encontrava-se congelado devido a uma imposição da troica, devidamente apoiada pelo Governo. A UGT sempre rejeitou esta situação e exigiu que os compromissos assumidos com os parceiros sociais fossem respeitados.

2) A UGT sempre defendeu o aumento do salário mínimo?
Verdadeiro A UGT sempre defendeu o aumento do salário mínimo como imperativo de justiça social nas melhorias das condições de vida dos trabalhadores de mais baixos rendimentos. A UGT considera que este acordo peca por ser tardio, dadas as exigências para que se concretizasse no início de 2014 e dada a confirmação do primeiro- ministro (abril, no Congresso do PSD). Mesmo antes dessa data, a UGT sempre defendeu existirem condições para que o Governo negociasse com a troica o descongelamento do salário mínimo.

3) Este acordo é insuficiente no seu valor?
Verdadeiro A UGT sempre defendeu um valor mais elevado do que os 505 euros. Ficou longe de corresponder às verdadeiras necessidades dos trabalhadores? Sim! Mas esta foi uma decisão equilibrada que não coloca em causa a viabilidade das empresas e o emprego, nomeadamente nas micro e pequenas empresas. Este acordo vai promover o consumo interno e uma nova dinâmica salarial e a negociação coletiva.

4) A redução da TSU foi uma moeda de troca para os patrões serem beneficiados pelo Estado à custa da Segurança Social?
Falso A redução da TSU para os 23% para as empresas que tenham trabalhadores a receber o salário mínimo não será suportada pela Segurança Social, mas sim pelo Orçamento do Estado.

5) A redução da TSU vai promover novas contratações com o salário mínimo?
Falso Esta redução é um apoio apenas às empresas que já tinham trabalhadores com o salário mínimo e não às contratações futuras.

6) A UGT fez fretes ao Governo ou aos patrões?
Falso A UGT não faz, nem nunca fez ou fará qualquer frete ao Governo. Pelo contrário, foi a UGT que marcou a agenda política e fez pressão para que o salário mínimo fosse atualizado ainda em 2014. A UGT não faz nem nunca fez qualquer frete aos patrões, porque as confederações patronais estavam contra qualquer aumento imediato do salário mínimo acima dos 500 euros. Não fosse a posição intransigente da UGT e não havia quaisquer garantias reais de um efetivo aumento, podendo prolongar-se o congelamento do salário mínimo.

7) Queremos um novo aumento do salário mínimo em 2016?
Verdadeiro A UGT bater-se-á por um novo aumento do salário mínimo, que deve ser preparado durante 2015, para entrar em vigor em 1 de janeiro de 2016.      

   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN