Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe
 
Alergia ocular

... da Saúde:
"Estado de completo bem-estar físico, moral e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade"
(O.M.S.)

Cada vez nos deparamos mais nas nossas consultas diárias e - sobretudo nesta altura do ano - com problemas de etiologia alérgica. As condições climáticas assim o facilitam, com tempo seco e com vento, e nos doentes com "terreno" propício a alergias estas encontram todas as condições para se "instalarem" e vingarem.
Desde os sintomas mais simples como os espirros, a rinorreia e a congestão nasal, até aos mais incapacitantes, sobretudo em doentes com alergias respiratórias mais baixas, como acontece na asma, tudo aparece e com uma frequência muito alta.
Deixo para o fim desta pequena introdução a alergia ocular, dado que o artigo que se segue fala exactamente dela.
Assim quero agradecer às oftalmologistas Ana Paula Pina e Margarida Queirós o excelente artigo que se segue e esperar que seja útil para todos nós.

Luis Aguiar
Diretor clínico do SAMS

 

Chegada a primavera, surgem os problemas para os doentes ditos "atópicos" (vulgo alérgicos).

Quais as causas da alergia ocular?
A alergia ocular é uma inflamação dos olhos devida a uma reação do organismo a substâncias existentes habitualmente no meio ambiente. Pólens (mais frequentes desde fins de fevereiro com pico máximo em maio - junho), ácaros, pelos e penas de animais, alimentos (chocolate, marisco, morangos, ovos), fumos, cheiros intensos ou irritantes, detergentes, ar condicionado, uso inadequado de lentes de contacto e outros são alguns dos alergéneos mais comuns que levam ao aparecimento dos sintomas típicos das alergias. Para determinar a causa da alergia é importante a história clínica do doente (idade, casos familiares, altura do ano em que se manifesta, profissão e hobbies, local e tipo de habitação, etc.). Isto pode não ser suficiente, sendo necessário recorrer a exames laboratoriais e testes específicos de alergia.

Quais os sintomas da alergia ocular?
A alergia ocular apresenta-se geralmente por sinais e sintomas agudos e bilaterais de:
- Olhos vermelhos e edemaciados;
- Prurido ocular ("comichão");
- Sensação de ardência e lacrimejo;
- Fotofobia (sensibilidade excessiva à luz);
- Sensação de corpo estranho.
Em alguns casos, os sintomas da alergia ocular podem coexistir com sintomas de rinite alérgica (nariz entupido, escorrência nasal e espirros consecutivos) ou bronquite alérgica (tosse, asma, pieira).

Qual o tratamento para a alergia ocular?
Como medidas preventivas salientamos, de acordo com as sensibilidades detetadas, a necessidade de arejar regularmente a casa durante 15 minutos/dia durante todo o ano; se utiliza ar condicionado, verificar regularmente os filtros; evitar alcatifas e cortinas difíceis de lavar; guardar objetos que acumulem pó (peluches, livros); evitar cobertores felpudos, edredons de penas e lençóis de flanela; aspirar semanalmente colchões e estrados; evitar passear em locais relvados ou com plantas com forte carga polínica; evitar andar na rua em dias de vento forte ou dias quentes e secos; viajar com as janelas do carro fechadas e usar óculos escuros de protecção com 100% de filtração U.V. receitados pelo seu oftalmologista.
Mesmo cumprindo as medidas anteriormente referidas, a maioria dos doentes necessita de observação cuidadosa por parte do seu médico oftalmologista para instituição de terapêutica médica tópica e por vezes sistémica de acordo com a situação clínica, e para rastreio das possíveis complicações graves da ceratoconjuntivite alérgica.
Os fármacos mais frequentemente utilizados são os antialérgicos (para prevenção e tratamento), os descongestionantes (para alívio rápido mas temporário dos sintomas), os anti-inflamatórios e corticóides e as lágrimas artificiais, particularmente úteis para os portadores de lentes de contacto.
O uso de vacinas de alergia só está indicado em casos selecionados. Apesar do quadro exuberante da alergia ocular, o tratamento é eficaz desde que seja iniciado precocemente e devidamente orientado.


Margarida Queiroz e Ana Paula Pina,

Departamento de Oftalmologia – SAMS Norte

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN