Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe Novembro e Dezembro 2019
 
Natal

Natal


Barreiro de Magalhães


No Natal, tornamo-nos frágeis

Melados

Ao olhar dos desgraçados

Àqueles olhares

Que têm voz

E gritam

Horríveis sons

Que irritam,

Que nos atravessam

A alma

E se colam a nós

No entanto, no meio de tanta

Desgraça

Há histórias de calor

E amor

Misturadas com frio de rachar

Nasceu o Deus menino,

A paz será possível?

Neste mundo tão horrível

É preciso tentar.

No Natal tornamo-nos frágeis

Pouco ágeis

Ao choro dos desgraçados

Damos-lhe a esmola,

Pensamos estar perdoados

E assim vamos vivendo a indecência

Colocando no parquímetro da consciência

Esmolas e mais esmolas, para que não ouçamos

Os ruídos

E vamos vivendo confortáveis,

Uma vida sem sentidos.





Natal


Raul Fernando Teixeira de Sousa


Já se ouvem os Anjos e, Arcanjos a cantar,

Lindas canções de Natal, músicas de amor

E, em cada casa sua lareira a crepitar,

P´ra receber o Natal com o seu calor.

Está muito frio, certamente, vai nevar,

Nesta altiva e lindíssima serra onde moro

E, se a neve não aparecer vou chorar,

Se ela cair, bem de mansinho, já não choro.

Quero ver a minha linda serra vestida,

Como a noiva de branco, de olhos a sorrir

Que, pelo cruel fogo, ela foi despida,

Esperando a branca neve p´ra se cobrir.

O menino Jesus está presente em nós,

Traz, sempre, consigo o espírito de Natal,

Junta a família, os filhos, os netos e avós,

Comemoração que, será, sempre, imortal.

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN