Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe Fevereiro 2019
 
Freixo

Por Sílvio Martins




Freixo solitário, secular gigante,


Que ergues os teus braços, tão cansados já,


Para o céu azul e puro, mas distante,


Numa prece muda que não chega lá.


A macia relva que ao redor vegeta,


Já deliciou muitos namorados…


Anda o deus Cupido de carcás e seta,


A brincar de amor sobre os teus relvados!


Em tua ramagem sempre as primaveras


Esconderam ninhos d’ aves indefesas


Que guardado tens, desde antigas eras,


De olhos predadores procurando presas.


Sob a tua copa, densa e refrescante,


Por estios secos de calor ardente,


Sempre o fatigado, lasso viajante,


Encontrou abrigo contra o sol fulgente!


Nas calmosas noites, ao luar de Agosto,


Rudes camponeses vês passar suados,


Erguem para o céu o seu sereno rosto,


Onde a lua tece fios prateados.


Já testemunhaste longas invernias,


Em que feros lobos, magros e esfaimados,


Vão em alcateia, pelas penedias,


Procurar o gado junto aos povoados.


E o pastor temendo pelo seu rebanho,


Frente faz às feras, açulando os cães.


Há terror na noite, que já vem de antanho,


Porque os lobos comem cordeiros e mães.


Se memória guardas - dentro em lenho fundo - ,


Desse abismo turvo dos passados dias


E se tu abrisses livro assim ao mundo…


Ancião vetusto, quanto lhe dirias!

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN