Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe Novembro e Dezembro 2018
 
Uma teoria sobre o “Sindicalismo cooperativo”

Por Jacinto Diabinho

A história do Sindicalismo tal como a do Cooperativismo tem vindo a integrar-se num importante esforço na busca de novas soluções face ao avanço opressivo e destruidor do neoliberalismo sobre a classe trabalhadora. Poderemos deduzir de que a militância havida na base do espírito de entreajuda em termos de cooperação tem vindo a produzir teoricamente novas vias de desenvolvimento na economia social.

A ação cooperativa torna-se cada vez mais importante nos futuros desenvolvimentos que terão de ocorrer na missão fundamental dos Sindicalismo, ou seja: a defesa firme e esclarecida da situação social e económica do trabalhador e por outras palavras: do cidadão comum! Espera-se da economia social em geral, mas muito em especial das cooperativas um forte contributo na procura de novas soluções que irão naturalmente ao encontro das dificuldades e necessidades futuras com que se vão debater os sindicatos perante a revolução tecnológica e a informática, deixando a indústria de ser o polo principal do processo de produção. Várias são as consequências dessa mudança: – as linhas de montagem são substituídas por processos de produção automatizados e assim gerando grande número de desempregados, vindo, portanto, a afetar as organizações sindicais. Além da redução significativa de empregos/empregados nas diferentes organizações públicas e privadas certamente que o movimento sindical perdeu, e continua a perder, cada vez mais força, influência e poder de negociação. Assim e neste contexto torna-se cada vez mais urgente e necessário implementar mudanças no sindicalismo enquanto há tempo e isto devido às mudanças sociais e económicas que, de forma progressiva e muito rápida, têm vindo a ocorrer!

A evolução desejável para o movimento sindical no Século XXI.

E aqui surge a necessidade da criação de um novo movimento sindical que aliado ao cooperativismo a que chamaria de “Sindicalismo Cooperativo” poderia ir ao encontro dos grandes problemas com que os Sindicatos em geral estão enfrentando já no presente e com crescente agravamento quanto ao futuro! A criação de uma nova ideologia fundamentada em quatro princípios que seriam os seguintes: – A Solidariedade; a Sobriedade; a Cooperação e a Espiritualidade.

Sendo estes quatro princípios os pilares de uma doutrina avançada e totalmente independente das diferentes correntes político/partidárias ortodoxas. A essa mesma doutrina iríamos chamar de Doutrina da Cidadania Social!

Para que as organizações sindicais não venham a ser extintas no médio e longo prazo, estas deveriam dirigir as suas ações para áreas da responsabilidade social como por exemplo – a proteção de crianças de rua; o desenvolvimento da campanha contra o analfabetismo; a formação de cooperativas de trabalhadores para gerir fábricas falidas ou ainda criando um centro de solidariedade social encaminhando desempregados para novas oportunidades de emprego ou para treinamento profissional e para finalmente concluirmos considerando ser uma solução estratégica, as próprias organizações sindicais darem origem e apoiando a criação de novas empresas cooperativas competindo no terreno com as empresas privadas em diferentes setores das atividades económicas.

No importante caso das Cooperativas estas passam a ter uma maior e estratégica importância devido a um crescente aumento de trabalhadores desempregados oriundos de instituições privadas e assim como do próprio Estado como é exemplo flagrante o que está ocorrendo em Portugal! De facto as Cooperativas representam de forma eficaz uma notável tendência no novo mundo do trabalho e os sindicatos precisam de estar atentos e preparados perante uma nova organização laboral!

Uma outra preocupação dos Sindicatos será sempre a questão da educação e qualificação profissionais! É certo que os Sindicatos nunca deixarão de lado as suas causas iniciais, ou seja: - lutar por melhores salários, condições de trabalho e outros direitos e benefícios! Se as organizações sindicais não tiverem uma visão de futuro, irão fatalmente correr o risco de se tornarem obsoletas!

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN