Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe Março e Abril 2018
 
Sindicato sou eu

Este artigo de opinião, que não segue as normas do novo Acordo Ortográfico, tem como principais destinatários os elementos da estrutura sindical, mas também, todos trabalhadores da banca e vem no seguimento da reunião com a estrutura sindical no passado 26-02-2018.

Porque é importante saber de onde partiu, o Sindicato surgiu com a clara missão de defender os direitos e interesses dos trabalhadores bancários, em meados do século XX.
Desde os anos 60, o Sindicato passou a ter como área de jurisdição os distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Porto, Viana do Castelo e Vila Real, rede geográfica em vigor.
A partir de 1975, a organização sindical passa a designar-se como Sindicato dos Bancários do Norte.
Desde os anos 70, a banca teve um crescimento assinalável em Portugal com registo do aumento dos trabalhadores e do número de balcões.
O Sindicato acompanhou esse crescimento, com a intensificação na defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores efectivos mas também para aqueles que procuravam ser admitidos no sector. Nessa época os trabalhadores sentiam-se representados. Havia diálogo e negociações.
Depois veio um período de crescimento económico que foi esvaziando uma parte das funções dos sindicatos, muito embora se mantivesse a necessidade da negociação colectiva. Mas porque é importante pensar no sindicato de hoje e contemplar as possibilidades que o amanhã trará, se faz a seguinte análise: É importante saber de onde partimos para onde querermos estar em 2021!
No momento presente, a estrutura tem vindo a recuperar relevo na actividade sindical, criando condições para ganhar uma nova consciência de classe, mas também para redefinir a sua própria estratégia de actuação face aos novos desafios.
A minha missão enquanto elemento da estrutura sindical leva-me a escutar a voz dos trabalhadores da banca. Reconhecendo a importância da negociação colectiva que sem o sindicato não teria lugar, a prestação dos serviços na área da saúde - tão valorizada pelos nossos associados -, o apoio dos serviços jurídicos, remetendo ainda para um vasto leque de actividades promovidas, quer na área do desporto, da cultura, do lazer, protocolos, entre outros, que visam proporcionar benefícios aos sócios, sempre com o objectivo de manter contacto regular e fazer a aproximação à realidade de cada trabalhador. Todos os canais de comunicação são ferramentas importantes, que podem ser utilizados pela estrutura sindical, no âmbito da sua actividade.
Os sócios relacionam-se de formas diferentes com o Sindicato. A comunicação escrita (revista, comunicados, sms, email, newsletter), as redes sociais e as visitas aos locais de trabalho, são formas eficazes de comunicar com o trabalhador, embora cada um tenha o seu canal preferido.
Uma das missões mais nobres do Sindicato para a população activa, são as visitas aos locais de trabalho, pois é naquele espaço que tudo acontece:
O normal desempenho do trabalho, mas também as horas não pagas ou o assédio moral ou sexual.
A defesa do posto de trabalho, num contexto de migração para a banca digital e consequente redução dos postos de trabalho ou substituição de trabalhadores por regimes de trabalho mais flexíveis como o outsourcing, estágios de Verão ou estágios profissionais. A defesa no direito à desconexão, a avaliação individual no desempenho, e a promoção da erradicação do medo e solidão no local de trabalho.
Mas estas visitas serão fundamentais se eu, enquanto membro da estrutura sindical, tiver presente a realidade do local de trabalho que vou visitar. A preparação antecipada, com a consulta a registos anteriores e atento à realidade actual.
Sabendo que vivemos num contexto acelerado de saída de trabalhadores, através da reforma antecipada (RA) ou por rescisão de mútuo acordo (RMA), que não é compensado com a entrada de novos trabalhadores, portanto, num contexto bem diverso do inicialmente descrito dos anos 70, coloca-se o desafio de como sindicalizar todos os trabalhadores admitidos em novos regimes de contratação. Poderemos citar vários argumentos a favor do SBN. Outros tantos poderão surgir em sentido contrário. Por exemplo, o SBN efectua os cálculos em termos de contribuições para os SAMS, para o Sindicato e para o Fundo social de Assistência (FSA), assentes exclusivamente no vencimento-base e nas diuturnidades.
O mais importante é a definição do meu objectivo, enquanto membro da estrutura sindical.
Percebi que a minha missão, enquanto elemento da estrutura sindical, pode evoluir, mesmo considerando a oferta actual. Para tal torna-se necessário fazer uma análise ao cenário existente e perceber os desafios que se colocam:

Pontos fortes:
- Equipa dinâmica e rejuvenescida;
- Equipa com experiencia do passado;
- Estrutura flexível;
- Estrutura de custos;
- Proposta de valor;
- Actividade sindical.

Pontos fracos:
- Falta de formação;
- Comunicação aos sócios;
- Definição da missão;
- Área de jurisdição.

Oportunidades:
- Alargamento dos benefícios na área da saúde;
- Desenvolvimento do portal;
- Desenvolvimento de app;
- Utilização das redes sociais;
- Divulgação das vantagens em ser sócio SBN;
- Angariação de novos sócios
(incluindo novos regimes de contratação);
- Alargamento da estrutura sindical (delegados sindicais);
- Sindicato único (ganhar sinergias).

Ameaças:
- Envelhecimento da população bancária;
- Entrada reduzida de novos sócios;
- Sindicato único (perda de autonomia);
- Propostas de outros sindicatos;
- Banca digital;
- Empresas tecnológicas.

Se a banca está a atravessar um processo de reestruturação contínuo,
com tendência para manter no futuro, acarretando uma redução contínua de trabalhadores, e contratação em novos regimes, importa analisar a forma como o SBN se poderá reorganizar no futuro, para se manter sustentável e viável.
Sindicato único, aproveitando sinergias e ganhando dimensão ou seguir o caminho por conta própria, tornando-se mais competitivo e flexível, liberto de custos fixos?
No caso de se caminhar para o sindicato único, é importante conhecer o património de cada um, é importante fazer uma auditoria por entidade externa e independente.

Onde quer estar o SBN em 2021?

Por outro lado e regressando ao meu papel, enquanto elemento da estrutura sindical, devo colocar a mim próprio as seguintes questões:
- Estou disponível para escutar os meus colegas de trabalho?
- Conheço os meus argumentos e os meus pontos fracos?
- Sei prestar atenção às queixas ou pedidos dos meus colegas?
- Como é que o meu contributo pode melhorar a actividade sindical?
- Se cada banco é uma realidade, estou disponível para a entender?

O trabalho empenhado de cada elemento da estrutura sindical, conduzirá certamente a um resultado seguro. A comunicação com todos os trabalhadores é fundamental para dar a conhecer o Sindicato e a sua missão. Sei que novos desafios continuarão a surgir, mas quero estar preparado para os enfrentar e conto com todos os trabalhadores, no local de trabalho, no dia-a-dia, e na estrutura sindical.

por João Paulo Pires – Membro da Comissão Sindical do Millennium-BCP

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN