Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe Março e Abril 2017
 
Paradoxo fatal

José Amaral


As civilizações quanto mais se sofisticaram mais lixo de toda a espécie foram produzindo.
Os recursos naturais têm e são extraídos, usados e esbanjados até quase à sua exaustão.
A Terra – o nosso comum lar – não pode e não deve continuar
a ser tão maltratada.
Sucatas, lixeiras, ataques ambientais continuados estão a matá-la. E, com ela, nós também, até à extinção da espécie.
E, todos os dias, muitíssimos bens, naturais e manufacturados, são lixo quase de imediato, para que o mercado da oferta e da procura continue na sua senda destruidora e no encher os odres de alguns em detrimento de milhões de seres.
Os sobejos de hoje seriam um maná de ontem, e tal desaproveitamento contribuirá num futuro próximo para o fim de todos os tempos, tal como nós conhecemos.
Inexoravelmente, chegará o dia ou a noite em que jamais haverá futuro. E nada será como dantes, como hoje ou amanhã, porque o infinito é incomensuravelmente infinito, e porque nós somos apenas micro seres existenciais com um termo de validade sempre fora de prazo.

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN