Pesquisa

ok
Home»Nortada»Nortada Detalhe Maio e Junho 2016
 
Quer mesmo saber como meter uns milhões ao bolso?

Francisco Louçã

Esteja atento, é a primeira recomendação. Mas se tiver amigos, eles avisam-no. Atue depressa: se souber de um banco em vias de se afundar e cuja direção faça hoje ao início da tarde um comunicado a anunciar que tem um comprador, tudo a correr sobre rodas, mande comprar ações desse banco ao fim da manhã e venda antes do fecho da sessão. Não gaste muito, não há mercado para isso. Cem mil euros. Ganha em três horas cinquenta mil. Não é mau, também não teve muito trabalho, dá para o fim de semana.
Para ganhar milhões e não ninharias, é preciso ter outro estofo. É preciso sobretudo endividar-se muito. Esteja sempre preparado, crie empresas e grandes negócios a tempo, evite registá-los em Porto Rico, ficou com má fama depois de ter sido muito gasto, mas Ilhas do Canal, Bahamas, Delaware ou Vanuatu, tudo serve. E peça crédito bancário, muito. Depois, comunique ao seu amigo na administração que a coisa correu mal, ele vai declarar que o crédito é incobrável, assunto arrumado, tudo entre cavalheiros. A beleza de passar de uma rubrica para outra é esta, não tem que pagar o crédito que é um débito. Se for accionista, melhor ainda, eles mal olham para a ficha e “xotor porque é que se há-de incomodar”. Foi assim no BCP e é a regra de ouro entre as pessoas responsáveis deste país. Somos uns para os outros, com classe.
Quando souber que o banco vai ser intervencionado, agora diz-se “resolvido”, mexa-se ainda mais depressa. Dívidas e dívidas, endivide muito as suas empresas da constelação Ilhas do Canal-Bahamas-Delaware-Vanuatu, os negócios dos últimos dias são os melhores. Vai tudo desaparecer na voragem, o Estado vai pagar isso tudo, vai incluir a sua dívida no “banco mau” e nos seus incobráveis, e vai portanto compensar o capital que falta ao “banco bom”. A sua dívida é um “ativo” que foi desativado.
Pode ainda fazer um contrato com o Estado, uma parceria. Garante um serviço e eles pagam uma renda. Muita uva para pouca parra. Ou uma privatização, sobretudo se for uma empresa rentista de um monopólio, mas isso vai rareando e é preciso muitos amigos muito amigos. A TAP está uma maçada, os transportes de Lisboa e Porto uma arrelia. Não se meta nisso para já, vá pelo seguro, o débito que é crédito é o melhor, garanto-lhe.
Recomece sempre. A vida é uma aventura, viver não custa, o que custa é saber viver. E não se esqueça, não dê entrevistas enquanto o problema está quente, fala- -se demais nesses dias, mas, mal passar a excitação dos plebeus, pode voltar a aconselhar as autoridades sobre as medidas para reforçar a credibilidade da economia. Bonomia, boa disposição, é isso que vale milhões e recomece sempre.

     
   Imprimir        Voltar        Topo
Copyright © 2007 SBN